Home Office: tudo sobre a nova modalidade de trabalho

Por Communicare

Após ascensão da categoria remota, o foco agora é o modelo híbrido

Por Bruna Villela

Com o isolamento social, devido ao Covid-19, todos passaram por mudanças e se ajustar à nova realidade. No mercado de trabalho, não foi diferente, a solução encontrada foi no Home Office. Embora boa parte das pessoas não tivesse conhecimento acerca da modalidade até então, desde o ano de 2017 o “tele trabalho” – o próprio trabalho à distância – já possui regulação específica na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho).


Nessa nova jornada, que demanda certa preparação e habilidade gestora, o recrutamento e o processo onboarding – integração do colaborador na empresa logo após a contratação – estão sendo realizados de forma virtual. O que não é novidade para algumas companhias, as quais responderam melhor e mais rapidamente à transição, uma vez que estavam mais avançadas na esfera digital.

Um levantamento feito pela Randstad em 2019 diz que 7 em cada 10 brasileiros gostariam de trabalhar em casa. Foto: GARRY BURCHELL / GETTY IMAGE

Tendências

 Certas organizações – após analisar dados internos e as pesquisas de satisfação com funcionários e clientes – planejam adotar a modalidade a longo prazo, motivadas pela eficácia em relação aos objetivos do negócio. De fato, a mudança já era esperada, mas acabou chegando mais cedo e nem tudo saiu conforme o previsto.  

Entre os principais desafios enfrentados pelos colaboradores há tanto o desgaste e tensão causados no período de quarentena, como o fato de não conseguirem se organizar frente ao fluxo de trabalho e/ou respeitar as pausas de descanso. Assim, a preparação para o novo modelo de trabalho não deve ser apenas tecnológica: a gestão contemporânea vem se caracterizando por ser mais humana e comunicativa.

 O sucesso da implementação do modelo Home Office irá da necessidade de transformação da cultura interna e a capacidade de compreensão por parte da organização. Além disso, o ideal é que o primeiro contato seja presencial para discutir todos os detalhes profissionais. 

Na prática 

Em entrevista, Renata Amaral – que trabalha na redação de uma agência publicitária – disse que já conhecia o modelo antes da quarentena, mas não se via trabalhando dessa maneira. Apesar disso, afirma que o modelo acabou se encaixando de forma bem bacana em sua rotina, e se pudesse escolher, optaria pelo remoto: “Creio que traz muitos benefícios que, em minha opinião, superam os malefícios”. 

 Já a Atendente de Reclame Aqui – Mychelle Fernanda – indica o conforto e a redução de custos pessoais – gasolina, roupas e calçados – como benefício, e também a economia de tempo, pois tinha de acordar mais cedo para se deslocar.  Ela afirma que se adaptou à modalidade e que a companhia ajuda com o valor dos custos que tem em casa, porém prefere a modalidade híbrida para trabalhar, levando em conta os prós e contras. 

Uma forte desvantagem, apontada pelas duas entrevistadas, se dá pelo comprometimento da comunicação e pela saudade da convivência com os colegas. As interações sociais são fundamentais e fazem falta em nossa dia a dia, estando diretamente relacionadas com nossa Saúde Mental.

De acordo com o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS) – Tedros Adhanom Ghebreyesus, está sendo impactada negativamente pelo contexto atual, “O impacto da pandemia na saúde mental das pessoas já é extremamente preocupante”. Relatórios da Organização já indicam um aumento nos sintomas de depressão e ansiedade em vários países. 

Foco

Apesar de haver uma certa propensão em se abandonar o escritório de vez, as companhias – notoriamente em setores tradicionais – optam por ter um local físico menor, usado em casos especiais – como reuniões com os clientes e mentorias com a equipe. A grande vantagem é a diminuição de gastos com aluguel, condomínio, serviços de limpeza, entre outros. Mas claro, antes de concretizar qualquer decisão, devem ser levadas em conta as necessidades dos clientes, dos funcionários e do negócio como um todo.     

O tipo de trabalho que mescla o ambiente remoto e presencial – mais conhecido como híbrido – vem ganhando a cena no mercado profissional.. Organizações com esse  modelo podem ser a melhor alternativa para satisfazer um ambiente diverso, uma vez que nem todos os profissionais estão prontos, gostariam ou têm facilidade com a súbita mudança de rotina. Ademais, o benefício encontrado com a redução do trânsito e da poluição, configuram uma boa maneira de se alcançar a prática sustentável em nosso cotidiano.