Moda Consciente: o que é e como se tornar um consumidor responsável

Por Communicare

Os impactos socioambientais da fast-fashion e a importância do consumo consciente no âmbito da moda para combatê-los. 

Por Maria Eugênia Matos 

Sabemos que, nos últimos tempos, com o alastramento de uma conscientização socioambiental coletiva no mundo, os costumes sociais têm se tornado cada vez mais responsáveis e eco-friendly. Constantemente nos deparamos com iniciativas sociais para incentivar a adesão de hábitos sustentáveis, como optar pela alimentação vegana, passar a consumir menos plástico no dia a dia, ir para o trabalho de bicicleta ao invés de veículos automotivos e muito mais. 

Assim, não é surpresa que muitos aspectos do consumo consciente têm sido praticados em todo o mundo. Contudo, pouco se fala sobre as consequências do consumo no âmbito da moda e sobre os impactos negativos da indústria da moda no meio ambiente, na vida do consumidor e na sociedade.

E você? Já se questionou quais as escolhas certas na hora de fazer suas comprinhas? Quer saber mais sobre a moda consciente? Então fique com a gente: 

O que é Moda Consciente? 

Assim como qualquer tipo de consumo consciente, a moda consciente é uma alternativa responsável para combater impactos sociais e ambientais, nesse caso gerados pelos sistemas de produção e venda dos produtos de moda e pelos atuais modelos de negócio de algumas marcas/empresas.

Via de regra, a moda consciente questiona principalmente as consequências da fast fashion (moda rápida), que é um padrão de produção e consumo marcado pela agilidade, pelo excesso e pelo baixo custo. 

Além da exploração trabalhista que esse modelo de negócio exige, as peças produzidas são de baixa qualidade, e a constante renovação das coleções nas lojas gera uma pressão estética e social ainda maior na sociedade.  

Junto a isso, devido aos preços baixos, o consumidor é estimulado a sempre comprar mais, mesmo que não haja necessidade ou que ainda tenha peças parecidas em seu guarda-roupa, resultando em uma larga escala de descarte desses produtos e aumentando significantemente a produção de lixo. Consequentemente, o impacto no meio ambiente se intensifica.

Gravado em diversas partes do mundo, o documentário francês “The true cost” ( encontrado na plataforma Netflix ) retrata perfeitamente os impactos da fast fashion na sociedade, evidenciando as consequências sociais da terceirização da indústria têxtil em países que possuem mão de obra mais barata, e expondo a dura realidade por trás da indústria da moda. 

Poster do documentário “The True Cost” dirigido por Andrew Morgan/ Foto: Reprodução

Dentre as diversas temáticas abordadas, o documentário faz menção a um acontecimento extremamente relevante: o desabamento do edifício Rana Plaza no ano de 2013, que foi um marco para a ascendência da conscientização acerca da indústria da moda e suas consequências.

Neste prédio localizava-se uma fábrica que produzia roupas para grandes marcas fast-fashion, e o acidente ocasionou a morte de mais de 1000 pessoas que ali trabalhavam em condições precárias. 

Como protesto ao incidente, surgiu um movimento global para reivindicar mais justiça, mais ética e mais transparência na indústria da moda, o “Fashion Revolution”. Essa revolução promoveu mais conscientização social acerca das problemáticas nos sistemas de produção de roupas e outros produtos de moda.

O símbolo principal da  Fashion Revolution foi o engajamento e a repercussão da frase “Who made my clothes?” (“Quem fez minhas roupas?”) entre os ativistas e apoiadores do movimento, com o objetivo de ressaltar a importância de conhecer as origens e o processo de fabricação das peças que compramos. 

Imagem: Reprodução/Site https://www.fashionrevolution.org/

The true cost também retrata questões como: os impactos da indústria da moda na agricultura e os efeitos da publicidade.

De modo geral, moda consciente é quando o consumidor se preocupa em ser consciente e em se informar na hora de comprar.

Como se tornar um consumidor consciente? 

A chave para se tornar um consumidor consciente é se questionar de onde vêm, como são produzidos e quais são os impactos da produção desses produtos.

Conquistar essa consciência na prática não é uma tarefa simples, mas podemos implementar alguns hábitos no nosso cotidiano que podem auxiliar esse processo, como: 

  • Se informar sobre as marcas! 

É essencial buscar informações sobre as marcas das quais você irá comprar: verificar como é o processo de fabricação dos produtos, como  são as condições trabalhistas dos funcionários envolvidos em todo o processo (desde a fabricação até a venda) quais causas a marca apoia, se houve algum tipo de denúncia sobre conduta antiética, etc. 

A influencer e jornalista uberlandense Ana Augusta Ribeiro, produtora de conteúdo sobre moda, realiza publicações em suas redes sociais sobre consumo consciente nesse nicho. Em seu Instagram (@anaaugustaribeiro), ela expõe procedências antiéticas de algumas marcas, a fim de informar seu público de alcance sobre ações que muitas vezes são ignoradas ou veladas.

 “É um assunto que envolve toda a vida em sociedade, mas por ser nichado, não tem o alcance que precisa. Nós somos consumidores muito passivos, não questionamos de onde vem o que compramos – isso para qualquer área, de roupa à alimentação. Então a indústria se beneficia da nossa inércia para lucrar em cima de mão de obra barata, fiscalização falha, matéria-prima poluente, entre outras coisas. […] Esse assunto mexe com comportamento de maneira muito intrínseca, é totalmente associado com a força imagética da moda, e falta de informação na grande mídia.” afirma. 

“Tudo começa dentro da nossa bolha, onde é mais fácil fazer mudanças. O primeiro passo é buscar informação, querer entender melhor nossas compras, as organizações para as quais estamos dando nosso dinheiro. Não tem como fazer uma mudança sem reconhecer que existe um problema. Depois disso feito, o próximo passo é se cercar de referências para conhecer novas marcas e criar novos hábitos de consumo.” completa a jornalista. 

Ana Augusta escreve sobre moda e comportamento, buscando reflexão, autoconhecimento e empoderamento.  Foto: Reprodução/ Instagram (@anaaugustaribeiro)
  • Refletir sobre sua necessidade

É normal nos sentirmos em tentação quando vemos aquele look novo na vitrine, mas, antes de comprar, se questione se realmente é necessário! Incorporando esse processo de reflexão no seu dia a dia, você irá perceber que muitas vezes o desejo sobressai a verdadeira necessidade. Essa reflexão pessoal irá te ajudar a economizar e a se tornar um consumidor mais consciente. 

  • Verificar a qualidade dos produtos

Sim, geralmente as peças de melhor qualidade são mais caras, mas, em compensação, ela durará por mais tempo! Assim você irá comprar com menos frequência e evitará descartes em excesso.

  • Comprar de brechós/ bazares

Moda consciente não é sinônimo de preços altos! Frequentar brechós e bazares é uma ótima alternativa para ser mais consciente e sustentável e sem gastos excessivos. E, hoje em dia, com as redes sociais ao nosso favor, comprar de brechós está muito mais fácil e acessível.   

  • Customizar!

Quem não ama usar a criatividade para customizar suas próprias roupas? Todos os dias vemos novas ideias na internet de como modernizar aquela peça de roupa antiga que está no fundo do seu armário. Use essas dicas ao seu favor! Além de ser uma forma de se divertir, você recicla suas roupas e contribui para a causa da moda consciente. 

Questionar, se conscientizar, colocar em prática e passar seu conhecimento adiante. Seguindo esses passos, todos podem se tornar consumidores conscientes.