Novos influenciadores digitais: efeito da quarentena?

Por Communicare

Entenda a relação entre o contexto atual, as tendências de consumo e a ascensão de novos influencers

Olívia Diniz

A pandemia veio e novas formas de produzir e consumir conteúdo vieram também.  Dados divulgados pela Comscore, empresa de inteligência de mercado digital, apontam que durante a quarentena, o uso das redes sociais aumentou 26% em relação ao ano passado.

Esse aumento anda de mãos dadas com a ascensão de novos influenciadores digitais que abordam principalmente sobre moda e beleza. O isolamento social incentivou a busca por novas formas de comunicação e inspiração.

Eduarda Yamaguchi e Nathália Albino são duas influenciadoras que começaram a produzir mais conteúdo na quarentena e a verem seus índices de alcance e engajamento crescerem.

Criadora de conteúdo voltado para beleza responsável, Eduarda Yamaguchi foca em produzir vídeos didáticos no Instagram que compartilham experiências, dicas de skincare e maquiagem, entre outros. Foi nos tempos de isolamento que conseguiu colocar em prática a ideia de atingir pessoas.

 

Duda investe, sobretudo, em vídeos criativos e atrativos que influenciam o público a pensar na importância do skincare. (Vídeo: Reprodução/Instagram)

 

“A quarentena me influenciou a começar, conseguir ter tempo, focar nas coisas que gosto de fazer e colocar isso para fora, inspirando novas pessoas” conta.

Nathália Albino é modelo e influencer de moda e beleza, sendo dicas de looks, makes e lifestyle seus principais tipos de conteúdo. Com postagens diárias no Instagram, ela conquista o interesse de seu público ao demonstrar ser acessível. Ela ressalta que conseguiu produzir mais durante a quarentena pois teve mais tempo para se dedicar, e hoje faz disso um trabalho.


Nathália hoje faz parcerias com profissionais de beleza, moda e saúde. (Foto: Reprodução Instagram)    
 

De um hobby surgiu uma vocação. “Amo trabalhar nessa área, interagir com as pessoas e saber que posso influenciá-las de uma forma positiva” aponta.

Consumo consciente

Os impactos do isolamento social fez as pessoas questionarem o que, por que e como consomem. O encantamento por influencers tradicionais que enfatizam, sobretudo, como suas vidas e viagens paradisíacas são perfeitas, já não é mais o mesmo.

O público agora busca consumir conteúdos de pessoas acessíveis que usam sua influência para inspirar e agregar conhecimento. Ele não procura apenas conteúdo, mas alguém para se conectar e criar laços. E é por conta disso que os novos influenciadores têm se sobressaído no mercado.

 

Em suas postagens, Eduarda aborda sobre skincare, makes, saúde e amor próprio. (Foto: Reprodução Instagram)

 

Eduarda se atenta em produzir conteúdos para mulheres e homens com informações verificadas por dermatologistas. Ela objetiva estimular autoestima e saúde ao seu público de forma interativa. “Maquiagem é pra todo mundo, é pra quem quiser”, defende.

Marketing de influência

As pessoas se mostram cada vez mais atentas às questões atuais querendo ver em seu feed personalidades conscientes. É aí que o marketing de influência entra, pois além de focar em persuadir o público a comprar algo ele também o educa nessas questões.

Por conta disso, novos influenciadores focados em serem transparentes e honestos com seu público possuem grande aumento em suas taxas de engajamento. “Não posto algo que eu não acredite no meu perfil, tento sempre passar muita credibilidade para as pessoas que me acompanham” ressalta Nathália.

 

“Sempre gostei muito de fazer fotos e com o Instagram surgiu a oportunidade de fazer disso um trabalho” conta Nathália. (Foto: Reprodução Instagram)

 

Influenciadores de moda, cinema, beleza, comportamento e saúde diversificam e criam novas maneiras de entreter o público. Os infinitos tipos de conteúdo produzidos são repletos de criatividade, interatividade e podem ser uma ótima fonte de aprendizado e distração.

Estar antenado sobre as tendências de consumo e estratégias atuais de marketing de influência é essencial tanto para quem produz quanto para quem consome.